16 de jan de 2014

Diversidade e os mais belos jogadores de Rugby

Especial Rugby Players

O rugby é uma modalidade esportiva praticada no mundo todo (incluindo o Brasil), conhecido por ser um dos grandes celeiros de belos atletas, tornando-se também altamente sexy. Muitos dos seus jogadores realizam trabalhos como modelos para marcas famosas, com direito a ensaios sensuais com seus corpos impecáveis, inclusive nu ou de cueca.

Daí vem também o fascínio por estes esteriótipos de homens perfeitos, másculos, com físico forte e proporcional, e com os músculos desenvolvidos na medida certa.

Beleza e diversidade - na primeira foto da postagem, uma campanha bem humorada e gay para promover um campeonato mundial de rugby. Mas a última fofoca entre os famosos é que a atriz Emma Watson, da saga Harry Potter, estaria pegando o belo jogador de rugby Matt Janney, de 21 anos. Janney joga pelo time da Universidade Oxford e estuda Línguas Modernas - como se não bastasse ser tão bonito e gostoso, o gato é fluente no francês, Russo e espanhol, por já ter morado na Rússia e na Argentina. Veja as fotos de Matt Janney:




Entendendo o jogo
Como não se trata de um esporte popular no Brasil, vou estender um pouco mais sobre o assunto.

O rugby ou rúgbi é um esporte coletivo com bastante contato físico entre os jogadores. De origem inglesa, é uma variação do futebol, sendo chamado anteriormente de "futebol-rúgbi". Muitas variações foram surgindo ao longo do tempo (também o futebol americano), mas a mais praticada é o rugby de 15 (em inglês: Rugby Union). Depois vem o Rugby League (com 13 atletas), e a versão olímpica de 7 jogadores em cada time. Tem também o rugby de praia, de toque, de cadeira de rodas e o subaquático.

Um "ensaio" ou try é quando um jogador consegue apoiar a bola com uma das mãos no chão (toque-no-solo) dentro da "área de validação" adversária, que corresponde ao espaço depois da linha dos postes, valendo 5 pontos na partida. Sempre após o try, a equipe que o marcou tem a possibilidade de chutar em direção aos postes, do ponto paralelo dentro do campo de jogo até aquele em que a bola foi apoiada no try, tentando fazer com que a bola passe por cima da trave e entre os postes da equipe adversária.

Outras jogadas e faltas são semelhantes ao próprio futebol, seu esporte de origem, como o "chute de ressalto" ou drop goal (vale 3 pontos), na tentativa de fazer o gol dando um pontapé na bola (ela deve passar por cima da trave e entre os postes dos adversários). O jogador deve, obrigatoriamente, fazer a bola tocar no chão e, no retorno, chutar imediatamente. Ao sofrer uma falta, a equipe também pode optar por tentar fazer um chute aos postes no local onde ocorreu a infracção - o penalty goal, que vale 3 pontos.

A regra básica é a de que, usando as mãos, o jogador nunca pode passar a bola para frente. Só é permitido passá-la para o lado ou para trás, com o time avançando através das corridas do jogador que tem a posse de bola.

Mas, sem as mãos, o jogador pode fazer passes para a frente, geralmente usando pontapés - no chute, só podem perseguir a bola, além do chutador, os jogadores que estiverem em linha ou os que estavam atrás dele, no momento do pontapé.

Os campeonatos profissionais mais importantes no mundo são: o Campeonato Inglês (Guinness Premiership), o Campeonato Francês (Top 14), a Liga Celta (Celtic League - disputada por equipes da Irlanda, Escócia, País de Gales e Itália), o Campeonato Italiano (Campionato di Eccellenza), o Campeonato Sul-Africano (Currie Cup), o Campeonato Neozelandês (ITM Cup) e o Campeonato Japonês (Top League). As ligas na Europa duram o ano todo, semelhante à programação de campeonatos de futebol.


Da série GYM Collection, jogadores italianos de rugby em ensaio de moda para D&G.
Tradição e ideais

O rugby, apesar de ser um esporte de contato, podendo ser interpretado como agressivo, carrega muitos ensinamentos de respeito entre os companheiros, adversários, arbitragem e torcedores. Costuma-se dizer que o rugby possui 5 valores: a integridade, o respeito, a solidariedade, a paixão e a disciplina.

E essa filosofia acabou por afastar os hooligans do esporte - dizem que "o rugby é um esporte de brutos jogado por cavalheiros". As ações de desrespeito à arbitragem, ao time adversário ou à torcida são punidas severamente. Além disso, no final do jogo, a equipe vencedora costuma fazer um corredor para receber os derrotados em sinal de respeito, e é comum ver jogadores aplaudindo adversários após uma boa partida. Por outro lado, muitos dizem também que a profissionalização do esporte tem diminuído esses valores, além do fato desses preceitos terem elitizado o esporte.


História

O rugby sempre foi um esporte tradicional e amador, sendo esta a principal questão na separação entre os estilos rugby union e rugby league - o amadorismo versus profissionalismo.

Por um lado, se defendia o esporte amador, por preservar a verdadeira essência de amor ao esporte. Por outro, se criticava o fato de o rugby ter se tornado um esporte de elite, onde apenas os ricos tinham condições de jogar. Algo parecido com outros esportes de clubes caros, como a Fórmula 1, o golfe, a esgrima, entre outras tradições provindas dos antigos castelos europeus, em especial da Inglaterra e Escócia.

Somente em 1995, 100 anos após a criação da rugby league, a International Rugby Board declarou o rugby como esporte "aberto", removendo todas as limitações sobre pagamentos e contratos de clubes fechados. A IRB se dizia com dificuldades em controlar o amadorismo no esporte. Mas, até hoje, muitas associações relutam contra a profissionalização, como a Union Argentina de Rugby que, entre muitas outras, ainda limita a quantidade de clubes e competições profissionais, evitando assim a popularização.

Disputado em mais de 120 países, a modalidade é mais popular popular nas partes do mundo de forte influência inglesa, como nas Ilhas Britânicas, na Austrália (Wallabies), na Nova Zelândia (All Blacks) e na África do Sul (Springboks), além da França (Les Bleus), sendo essas as grandes forças do rugby mundial. É também bastante praticado na Itália (Gli Azzurri), na Argentina (Los Pumas) e no Uruguai (Los Teros).

Fora dos Jogos Olímpicos desde 1928, tudo indicava que o rugby voltasse à família olímpica nos Jogos de Londres em 2012, talvez na sua versão reduzida, o rugby de 7 jogadores - Rugby Sevens. Mas o Comitê Olímpico Internacional só confirmou a presença do tradicional esporte inglês para as Olimpíadas de 2016, na cidade sede Rio de Janeiro.


Rúgbi no Brasil

Por falar em Brasil, o rugby surgiu por aqui em meados do séc. XIX, juntamente com o futebol. Por influência do então Império Britânico, os dois esportes mais populares da nação inglesa, o futebol e o rugby, foram levados a diversas partes do mundo, por meio de empresários, militares, religiosos, operários, estudantes ou imigrantes, que vinham do Reino Unido trazendo o conhecimento das regras do jogo e as características bolas ovais.

Apesar de ter uma história longa, o rugby brasileiro não pegou como o futebol da bolota redonda, e nunca conseguimos resultados expressivos, como a sonhada classificação para a Copa do Mundo de Rugby.

Contudo, e por receber os Jogos Olímpicos de Verão de 2016 no Rio, justamente no ano que o esporte voltará a fazer parte da competição mundial, a Seleção Brasileira de Rugby estaria automaticamente classificada, participando pela primeira vez de um grande torneio internacional.

Em outubro de 2003, quando começa a contagem do ranking mundial da IRB, o Brasil estava em 34º lugar. Em 2004, na final do Sulamericano de Rugby B, foi registrado o maior público da história do rugby no Brasil - aproximadamente 5 mil pessoas no estádio do Ibirapuera. Nos anos seguintes, o desempenho da seleção nacional chegou a ocupar a 37ª posição entre 2005 e 2006 e, por diversas vezes, entre 2009 e 2011, chegou a ocupar a 27ª posição, a mais alta do histórico do time. Mas o interesse pelo rugby vem aumentando com o próprio crescimento do país, somando hoje mais de 50 mil praticantes, mais de 10 mil federados e 230 clubes - 20 deles, no estado de São Paulo.


O jogador australiano David Williams e sua barba pink.
O Fã Clube Gay

O rugby é um dos esportes com mais admiradores gays. Por sempre contar com belos e fortes jogadores, o público LGBT, principalmente os homens, sempre fazem referência ao esporte e seus atletas de corpos impecáveis.

Além de pernões bem desenvolvidos, como os jogadores de futebol (eles também correm em gramados durante as partidas), o Rugby Player usa bastante os braços nos arremessos, mantendo assim um corpo mais proporcional, sarado e musculoso sem exageros (eles devem manter um corpo forte para o contato no jogo, porém mantendo também a agilidade de um jogador de campo) - são mais do que um belo par de pernas.

Com tanto jogador gostoso, inevitavelmente uma vasta produção de vídeos e fotos com detalhes e flagras dos atletas movimenta a internet, assim como nos lances de luta greco-romana, MMA, ou qualquer outra modalidade com ou sem contato físico, eleitas como favoritas dos gays.

Lances do volume no calção dos jogadores, ensaios sensuais sem camisa, de sunga, cueca ou pelado, flagras em público, participações em reality shows... fazendo de muitos deles verdadeiras celebridades e símbolos sexuais. Durante as partidas de rugby, é comum ver as abençoadas puxadas pelo short, na tentativa dos jogadores barrarem o adversário que tem a posse de bola, agarrando pelo calção, e podendo assim mostrar mais que o necessário para o jogo - as partes íntimas dos jogadores que, para os gays, não deixa de ser mais um ótimo atrativo, além dos corpos perfeitos.

Assim como alguns craques do futebol, como os belos David Beckham e Cristiano Ronaldo, muitas marcas apostam na sensualidade destes jogadores, usando os atletas do rugby como garoto-propaganda. Tudo para agradar os clientes que querem mesmo é ver homem bonito nas campanhas publicitárias.



Dolce & Gabbana - Campagna Italian Rugby


Flagras do Rugby Hot depantsing

O volume marcado na bermuda de Sam McGuffie



Ben Cohen

Após diversos anúncios de cueca e fotos para calendários, o ex-jogador e ativista Ben Cohen atraiu um público gay considerável:  "Eu gosto de quebrar estereótipos" - disse o gatão de 35 anos sobre os trabalhos que inclui na carreira além do rugby, muitas vezes com o objetivo em promover a diversidade.

No ano passado, Cohen disse ao Huffington Post que não se incomoda com a atenção de seus fãs, especificamente o público gay masculino: "Se os homens me acham atraente, que seja. Estou muito confortável na minha sexualidade, e me sinto honrado e lisonjeado por saber dessas coisas".

Além de gato e simpático (de simpatizante, inclusive), o astro do rugby fundou em 2011 uma instituição focada no combate à homofobia - a Ben Cohen StandUp Foundation, também contrária ao bullying com jovens lésbicas, gays, bissexuais e transexuais. Para os gays, este seria um tipo de ídolo que não teria como não gostar - lindo, gostoso, muito fofo e amigo das bee.





Gareth Thomas

Gareth Thomas (1974) foi o primeiro jogador do rugby internacional a assumir publicamente sua homossexualidade. O galês já era uma lenda do esporte e ficou ainda mais conhecido depois que saiu do armário, em 2009. A mensagem que passava era de que um gay poderia ser um bom jogador, assim como qualquer outro.

Ele tem até um projeto de um filme que conta sobre sua vida. Em 2011, Thomas foi um dos rugbiers convidados para o casamento do Príncipe William com Kate Middleton (o Príncipe de Gales é vice-patrono da União Galesa de Rugby).

Quando questionado sobre os eventos esportivos previstos para países onde há leis contra homossexuais, como os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014 na Rússia e a Copa do Mundo no Catar em 2022, Thomas deu o seguinte relato: "Se eu fosse de uma delegação indo jogar nesses países, gostaria de ir como gay, dar o meu melhor e provar que aquelas leis não podem me impedir de ser o melhor que eu posso ser no esporte. Atletas não podem decidir quanto à possibilidade de competir em países onde não se tolera a homossexualidade. Para a maioria deles, eventos como estes são chances únicas na carreira, depois de um trabalho árduo para 'chagar lá'. Certamente que o rugby está se tornando mais aceitável, mas, independentemente do que as pessoas podem dizer, sempre haverá preconceito e estereótipos no esporte".




O sexy relax

Uma "sessão de recuperação" é simplesmente um dos momentos mais especiais na vida de um fã de rugby. É quando as equipes 'esfriam a cabeça' depois de um torneio ou no final de uma temporada. Geralmente, o ritual tradicional é acompanhado pela mídia, cobrindo as belas e sensuais imagens dos jogadores relaxando à beira da piscina ou na praia.

Mas a melhor parte é quando eles saem da água (como deuses), e com as energias renovadas. Pede a tradição que, depois de quebrar as ondas do mar com o corpo, um deles deve sair da água caminhando para a areia, levando o restante do time consigo. A 'saída renovada' com todos ao mesmo tempo, juntos, representa a união do grupo - o espírito de equipe.






.
Em outras ocasiões, o rugby pode também ser jogado por peladões, principalmente em se tratando de festas típicas em datas comemorativas, igual à tradição de jogar futebol vestido de mulher no carnaval. E a exposição dos atletas desta modalidade é tanta, que até um exame de testículos dos jogadores foi realizado na TV!


LFTC Testicle Check na Maverick TV




Stuart Reardon

Stuart Reardon (1981), talvez o jogador mais famoso entre os mais belos e também modelos (do quilate de David Backhan no futebol), bastante utilizado em fotos sensuais para marcas importantes, além de capa de revistas.

Stuart foi capa da Gay Times de outubro de 2013 (foto), e declarou para a revista inglesa que não sabe ao certo o por que de tanto sucesso entre os homossexuais: "Eu não sei o que eles veem em mim. Sou um cara normal que gosta de cuidar do corpo. Mas é bom ser querido" - disse a pessoa que não deve ter nenhum espelho em casa...

Sobre ter amigos gays e sair na capa de uma revista voltada para esse público, o jogador ressaltou: "Não faço amizades me baseando na sexualidade da pessoa, mas sim na personalidade e interesses em comum. A GT é realmente uma grande revista, e por que um esportista se incomodaria de sair nela?".

O atleta e modelo de sucesso defendeu ainda a sua modalidade esportiva, afirmando que o rugby é um esporte tolerante, principalmente depois da postura de Gareth Thomas, que assumiu ser gay no final da carreira como atleta e continuou respeitado e atuante no esporte, além do ativismo. O irresistível inglês, considerado um dos homens mais belos do mundo, joga atualmente nas equipes AS Carcassonne e North Wales Crusaders.





Gay Rugby Teams

O fascínio entre os gays é tanto, que o rugby tem uma associação internacional específica, a IGrab - International Gay Rugby Association and Board. Com sede em Londres, eles promovem o esporte entre os times formados por gays (equipes do mundo todo), e tem como principal objetivo organizar uma Copa do Mundo de Rugby Gay. São 50 clubes membros, entre grupos da Europa, EUA e Austrália.

A ARU (The Australian Rugby Union) recebeu em dezembro a Copa Bingham, reconhecida hoje em dia como a Copa do Mundo Gay de Rugby. A taça ficará em exposição na sala de troféus até o próximo mundial, que será realizado na Austrália em agosto - a Bingham Cup Sydney 2014. O evento segue o anúncio da ARU, feito em agosto, do desenvolvimento de uma política de inclusão que visa reforçar o compromisso do rugby australiano para acabar com a discriminação e homofobia na modalidade.

De 24 a 31 de agosto de 2014, as equipes de mais de 15 países se reúnem em Sydney para celebrar a diversidade no esporte. A Bingham Cup Sydney 2014 irá contemplar todos os níveis de rugby e, pela primeira vez, terá uma competição feminina. Veja o vídeo promocional para a Copa Gay de Rugby 2014:


Bingham Cup Sydney 2014



Rugby Calendar

A participação de jogadores de rugby em ensaios sensuais para a confecção de calendários é outra tradição bastante praticada pela moda e marcas em geral, com belos e gostosos do esporte, na maioria das vezes direcionada ao público masculino gay, além do feminino.

O Nashville Grizzlies (USA), um clube gay de rugby fundado em 2006, realizou para este ano o seu calendário 2014 com os atletas em ensaios sensuais e nus. A motivação para fazerem as fotos foi arrecadar fundos para a equipe participar da Copa Bingham, em Sydney, na Austrália.

Outro calendário relacionado e de sucesso garantido entre o público gay, são os Rugby's Finest Calendar. Com um jogador para cada mês, escolhidos especialmente para encantar todos que gostam de homem bonito, a edição deste ano tem para todos os gostos: Ollie Marchon, Mat Turner, Sam Wardingley e Dan Norton do England Sevens, Tom Varndell do WaspsNils Mordt do Saracens, James Stephenson do Worcester Warriors, Alexander Cheesman do Cornish Pirates, Ollie Frost do London Welsh e Josh Charnley do Wigan Warriors.

Nashville Grizzlies Calendar 2014





Rugby's Finest Calendar 2014

James Stephenson

Mat Turner

Nils Mordt e Dan Norton

Ollie Frost

Ollie Marchon

Sam Wardingley

Tom Varndell



Veja mais  fotos:
JOGADORES DE RUGBY
Os mais belos e sexy do mundo


Sergio Parisse




Denis Dallan






Kimberly Menozzi




Andrea Masi





Gonzalo Canale






Daniel Carter





Sonny Bill Williams







Tommy Bowe





Morgan Parra





James O'Connor





James Haskell






Mike Phillips






Richard Kahui





Thom Evans







George Burgess






Richard Nuzzolese






Will Matthews





Nick Youngquest







Daniel Adongo




Ben Foden




Vernon Davis






David Pocockof




Thiago Maihara




Henrique Dantas




Diego Lopez




Branco du Preez




Courtney Lawes




Clément Poitrenaud






Lucas Duque





João Luiz da Ros




Vince Ramos







David Williams



...

Hot Rugby Men Kiss

4 comentários:

  1. pow adorei o post ! jogadores de rugby são meus preferidos amo esses deuses coxudos e bundudos poste mais musculosos! visit meu blog
    se quiser parceria
    http://bombadosclub.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Mais uma vez temos uma excelente postagem aqui no Blog. Confesso que fiquei de pau duro do início ao fim da leitura. Mas quem não ficaria? rs
    Parabéns ai Fred.

    ResponderExcluir
  3. Cara, que post fantástico!!!

    Sempre que eu posso assisto ao rúgbi. Acompanho o esporte há poucos meses, mas ele já se tornou meu esporte favorito. Eu não jogo, mas na malhação me inspiro sempre neles para ficar cada vez maior e mais forte (apesar do meu 1,74m rsrs).

    Eu não sabia de todo esse movimento do rúgbi, tanto de atletas como de organizações inteiras, em prol da inclusão de homossexuais no esporte e do combate à homofobia. Fiquei ainda mais encantado com tudo.

    E, pra finalizar, claro que você tinha que colocar esse beijo delicioso entre machos do rúgbi. heehheheh Sabe dizer se os homens do vídeo (inclusive os beijoqueiros) são atletas mesmo? Gostaria de saber a história desse vídeo.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário ou envie sugestões, fotos e vídeos para homemrg@gmail.com