3 de jun de 2013

Amores Intensos, um conto em longa-metragem

Saindo da casca

Com alguns problemas técnicos de produção, baixo orçamento ou soluções amadoras para um longa-metragem, o filme Amores Intensos (2010), do diretor goiano Edson Correa Lima, chama atenção por um roteiro interessante e surpreendente, além dos vários momentos de acerto. Uma editada aqui e ali, ficaria melhor, mas vale a pena assistir, principalmente para quem gosta de contos.

Durante sua infância, no interior de Minas, parece que ficou marcado para Renê (Marcos Cardinelli) os fortes assédios que recebia de um homem mais velho. Aquele homem que o cercava no caminho da escola, pegava no pau para caracterizar a velha cantada sexual, fazendo o jovem Renê mergulhar nas novidades que a vida lhe apresentava. Já aos 20, Renê e todos perguntavam por que ainda não namorava, e é seu pai, um militar, que fará o filho se abrir.

Com a confiança do pai, René se muda para Belo Horizonte para dividir apartamento com uma amiga de infância. Na capital, ele tem suas primeiras experiências homoafetivas, na dura lógica de aprender com a vida, até conhecer Eduardo (Gabriel Edeano), seu grande amor.

O filme, um drama em formato de conto de uma vida, tem um monte de coisas desconectadas, mas gostei da iniciativa e empenho dos envolvidos. Não parece ser mesmo fácil fazer cinema, com tantos detalhes como sonoplastia, continuidade, figurino, caracterização, elenco e, principalmente a luz (iluminação, fotografia) que, diga-se de passagem, está muito boa no filme. De resto, Amores Intensos traz boas mensagens de alguém experiente como, por exemplo, de andarmos sempre de olhos abertos e sermos justos e sinceros com os nossos sentimentos.

Veja o filme completo Amores Intensos (2010):

2 comentários:

  1. Eu queria encontrar um "Eduardo" em minha vida,mas sem que ele morresse,para vivermos até o fim de nossas vidas.

    ResponderExcluir

Este comentário poderá ser publicado no novo site homemrg.com