14 de mar de 2016

Héteros e o prazer anal

Macho com fogo no rabo

Uma das coisas que separa a ideia de macho com a de algo mais efeminado é a condição de "ativo" durante o sexo, como num casal de dança de salão, onde é o homem quem conduz a parceira. Mas, entre quatro paredes, esta figura dominadora pode se revelar contrária, mesmo nos que são e querem permanecer heterossexuais. E eles estão admitindo que até podem curtir uma pegadinha na bunda, ou uma chupada (beijo-grego), umas dedadas, a tradicional penetração e tudo que pode ser feito com a fantasia erótica ou fetiche "bundas".

Os héteros, conhecidos como avessos a qualquer aproximação, insinuação ou safadeza referente ao próprio traseiro, sempre se esquivam quando o assunto vem à mesa de boteco, nos papos e brincadeiras com a galera - a pegada por trás, a mão-boba, bundalelê, geralmente empregado para saber como o outro vai reagir, um teste e, de repente, quem sabe?... Aliás, o "pênis" e o "ânus" parecem estarem sempre na boca (e na mente) de qualquer machão. Especialmente nos xingamentos, "Vai tomar no cu!", "Seu rabo!", "Você, de quatro!" e outros, sem falar no sonoro "Viado!".

Entre as masculinidades, o homem pode ter qualquer sexualidade combinada com qualquer gênero. Assim, não podemos deixar de destacar os bissexuais, especialmente os que fazem questão de manter uma imagem de heterossexual perante a sociedade, os héteros do tipo "curioso", sempre dispostos a experimentar algo diferente, os que são 100% HT, mas sentem prazer em levar fio-terra, ou usam vibradores ao se masturbar e até podem desejar o uso destes brinquedos eróticos em companhia.


Enfim, o prazer anal pode estar associado desde as motivações mais instintivas, carnais ou físicas, até as fantasias e fetiches, certamente genuínos da relação de poder entre os homens. O tesão, por sua vez, poderá aparecer em uma situação de disputa ou jogo de atuações, sendo estas relacionadas á figura do carrasco ou da submissão. É o que se vê com certa nitidez nas lutas eróticas, na vida sexual de muitos, ou em certos abusos (inclusive de autoridade) e, claro, nos estupros. Mas também na relação entre héteros e transexuais (ou travestis, geralmente com o hétero na condição de passivo.

O prazer em ser penetrado, possuído, enrabado, seja por um dedo, uma língua, um pau de borracha ou de verdade, não é exclusivo dos gays, já sabemos. Machos acima de qualquer suspeita também podem sentir o mesmo tesão, ainda que queiram veementemente permanecerem na heterossexualidade.


Confissões de macho

Um usuário do Reddit demostrou sua insatisfação ao saber que sua namorada não mais exploraria sua região anal, e acabou pedindo ajuda on line. Ela tinha dito que foi apenas para que ele gostasse dela, "para agradar", mas o rapaz e hétero tinha realmente ali seu "Ponto G" - "Era algo que de certo ponto estávamos tendo exclusivamente sexo anal. Penetrando-me, sentia-me verdadeiramente ligado a ela mas, sexo incrível, relacionamento terrível", lembrava o namorado. Ele ainda diz que está fazendo de tudo para convencer sua atual namorada a lhe enrabar, está até gastando uma nota com dildos, double-header, arreios e outros acessórios sexuais, mas desconfia que ela pode estar com ele apenas por status ou fantasia, em estar com alguém exótico, por exemplo - em consequência, ele diz que a atração vem diminuindo por mulheres que não podem satisfazer este desejo em transar pelo ânus, o que também acaba dificultando atingir o orgasmo.

Ah, e só para constar, ele quer que todos saibam: "Só porque eu quero algo fálico na minha bunda não significa que eu quero ter um relacionamento com algum esteriótipo LGBT". Então, ele se pergunta, "o que devo fazer?" E chove comentários, opiniões e conselhos: "Você não parece só entediado, você parece um pouco com raiva"; "Você está pedindo a ela para parecer e se comportar feito um homem na cama"; "Vamos combinar com o fato de que você se refere ao seu corpo feminino e isso não é fazer mais por você, posso ver sua relutância"; "Eu sinto muito por sua namorada", outra pessoa acrescenta.


Mas tem outros mais solidários: "Em seu lugar, iria em busca de uma nova namorada"; "Às vezes duas pessoas simplesmente não são compatíveis sexualmente. Nenhum dos dois está errado, são apenas inadequados um para o outro "; "A fila anda!"; "Eu ficaria muito puto em seu lugar, Bait and switch é ridículo"; "Talvez você não precisa fazer isso o tempo todo, mas se for ocasional e mesmo assim ela não quiser, então termina".

Em uma enquete do Uol, onde se perguntava para os homens "Você acha que um homem heterossexual pode ter prazer na região anal?", 67,92% disseram "Sim. Essa parte do corpo causa sensações prazerosas, independente do sexo ou orientação sexual" e apenas 12,27% se mostrando arredios à ideia, dizendo "Não sei se é possível, mas não gostaria de ter essa experiência".


Entre os homens que respondem a Pesquisa Homem RG, 85%, os que mantém relações homossexuais, mesmo que eventualmente, 36,5% preferem a posição de Ativo E Passivo (na mesma transa), seguidos de 22,8% que são Ativo OU Passivo (na mesma transa, são apenas passivo ou ativo). Ou seja, 59,3% se dizem dispostos a serem passivos e, se somarmos com os que são só passivos (18%), já são aí a maioria absoluta de 77,3% de homens que querem dar o cu, contra 18,55% que são exclusivamente ativos. Ou ainda, entre amigosBBF ou desconhecidos, muitos preferem um posicionamento fixo, um porto seguro entre as posições de ativo / passivo, mas o que se percebe é que a maioria não dispensa o troca-troca.

Avançando um pouco mais, após a Pesquisa: o que todos querem é mamar!, o desejo em experimentar ou praticar o sexo anal só perderia para o sexo oral, onde praticamente todos topariam mamar e, ou ser mamado, mesmo quando depende de uma série de coisas para que isso aconteça. A propósito, assim como há homens que fazem sexo mas não beijam na boca, tem aqueles de dão a bunda mas não pagam boquete, ou os que curtem que façam "cunete" neles, mas não querem que enfiem nada lá.


Tira essa mão boba daí!

Foto: Futebol O chileno Gonzalo Jara deu uma dedada no traseiro do atacante uruguaio Edinson Cavani, na Conmebol 2015.

Do imaginário masculino ainda temos as provocações entre machos, com brincadeiras entre amigos sempre com segundas intenções, principalmente aquelas que supostamente colocam em cheque a condição sexual do colega - "Tá duvidando da minha masculinidade?". A resposta para uma passada de mão, um olhar safado ou uma carcada por trás (tem os que brincam simulando uma verdadeira enrabada ou encoxada) pode ser um automático "sai fora, fi!" como também pode ser um "tamo junto e escancarado!". Ver também: Brincando de Lutinha

video
Leks dançando sarrando e metendo com força

video
Policial carioca rebolando no funk com a sunga atochada mostrando a bunda no vestiário

As brincadeiras entre adultos também não se esquecem do exame de próstata, o temido ou fascinante dia de levar "dedada no cu". As piadas são recorrentes e diversas, nas rodas de conversa fiada, onde a preocupação é com o tamanho das mãos ou, mais especificamente, dos dedos do proctologista. Em seu íntimo, o homem que ainda não experimentou o prazer anal, seja por convenção social, cultural, religiosa ou apenas por acreditar que "homem não pode sentir prazer na bunda", o medo maior é acabar se excitando durante o exame - ficar de pau duro perante o médico seria revelador de mais ou algo normal?

Foto: Mapa Sexual Masculino - Zonas Erógenas
(Foto/Modelo Klaus Hee - Capa G Magazine, 2006 nº 111).

Entre as regiões do corpo propícias de sentir tesão, as zonas erógenas, o ânus teria tanta importância quanto o pênis. Para muitos, bem mais erótico que a própria figura fálica, especialmente por conta de todo o tabu machista em torno do traseiro masculino, fazendo desta região do corpo a sua parte mais íntima e, ao mesmo tempo, o "ponto fraco" da virilidade.

É comum (e nada elegante) ouvirmos: "aqui só sai, não entra nada!", referindo-se ao reto apenas por sua função fisiológica. Outros, até admitem a independência do prazer sexual com o próprio sexo, ao contar do quase orgasmo que sentimos quando urinamos, depois de muito apertado. Ou seja, o prazer também poderá ser, digamos, involuntário, sem imagens pornográficas ou qualquer estímulo erótico, apenas orgânico ou... fisiológico! Daí o medo em ficar com o pau durão durante o tal exame de toque retal.

A dedada, aliás, está entre as safadezas de macho, utilizando os dedos ou as mãos como "membro", assim como em ato de agressão ou bullying, mostrando o poder em relação ao outro, atingindo suas partes mais imaculadas. E juntando a fome com a vontade de comer, a dedada no cu pode se juntar a outra parte erógena, como ao prazer sentido nas pontas dos dedos. "O períneo, região que compreende genitália e ânus, é uma região muito inervada. E qualquer área com alta incidência de terminação nervosa pode se tornar uma zona erógena, desde que se esteja com alguém que desperte o desejo sexual" - disse o urologista Marcelo Vieira, membro do Instituto H. Ellis e mestre em cirurgia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, para Uol.



O fio-terra, que também vem sempre à tona nas conversas atravessadas, traz a mesma polêmica perante os héteros: "Seria uma pinta?". Não, necessariamente, haja vista que o prazer (físico e psicológico) pode estar em qualquer destas esferas, até de forma concomitante, sem, contudo, serem dependentes entre si. Individualizado, particular e independente de sexo, sexualidade ou gênero.


Fofoca de homem

As mulheres costumam comentar, entre amigas, suas experiências sexuais, bem como os homens, porém, de forma mais detalhada e por um ponto de vista mais pessoal. Enquanto homens relatam discretamente suas transas e nunca sobre as relações íntimas conjugais, por exemplo, as mulheres não mudam a roupa para comentar, em detalhes, o que os seus parceiros, inclusive maridos, fazem ou deixam de fazer na cama. É como se fosse um simpósio ou um grupo de discussão gerador de dicas importantes para manter o relacionamento matrimonial ou obter melhor desempenho sexual.

E com a mesma dúvida que intriga os próprios homens, com uma série de fóruns e listas de dicas para "como descobrir se seu namorado é gay", elas disparam nas redes sociais e sites afins:

Minha amiga contou que o namorado dela adora que faça sexo oral no ânus dele. Fiquei chocada e disse que ele deve ser gay! O sujeito também gosta que ela coloque o dedo no ânus dele. Só pode ser gay, né?

Mesmo com vergonha, resolvi escrever. Meu marido adora que eu faça penetração anal nele com os dedos. Eu coloco uma camisinha nos dedos, e ele fica enlouquecido de prazer. Meu marido tem 48 anos e somos casados há 18. Será normal? Eu gosto de fazer isto com ele e fico muito excitada!

Conforme já dito, é muito normal o homem, gay ou não (bem como as mulheres), sentir prazer na região anal, sendo este um ponto extremamente erógeno também para o sexo masculino, seja o prazer tátil em toda região das nádegas ou, mais especificamente, a estimulação da próstata, tendo que introduzir algo no reto - a glândula da próstata fica a 5 cm de profundidade, na parte interna entre o ânus e o pênis (períneo). Como esta região tem inúmeras terminações nervosas, caso estimuladas, podem resultar numa ereção até mais firme do que a causada pelo trivial, durante o coito ou masturbação.





O urologista e sexólogo Celso Marzano explica que, dependendo da posição em que o homem for penetrado, isso vai massagear a próstata. Ele afirma que não existe diferença da região anal entre homem e mulher. "A anatomia e sensibilidade são iguais. Na parte genital é diferente, mas no ânus, não", diz o médico que é professor de sexualidade da Faculdade de Medicina do ABC e autor do livro O Prazer Secreto (Ed. Éden), que discorre sobre a prática do sexo anal, obra dirigida a homens e mulheres de todas as orientações sexuais - "Essa parte do corpo causa sensações prazerosas, independentemente do sexo ou orientação sexual.

Ele se sentirá mais estimulado" conta o médico, acrescentando que o mesmo acontece com a mulher: "A diferença é que nelas a massagem é no corpo interno do clitóris, a parte não visível na vagina". Quanto ao prazer que o sexo anal pode provocar, o urologista afirma: "Homens e mulheres podem chegar ao orgasmo pelo sexo anal. Isso não é mito, é realidade".

Contudo, homens heterossexuais que querem ou têm curiosidade ("curiosos") de experimentar essa prática podem ver sua orientação sexual contestada, juntamente com o risco  de serem alvo de preconceito que, aliás, pode ser sentido tanto pela ala masculina quanto feminina. "Há uma espécie de campanha que só mesmo os homossexuais podem se excitar com toques na região ou com penetração anal na relação", diz a psicóloga e sexóloga Carla Cecarello,  acrescentando que é muito pouco provável que as mulheres proponham ou aceitem essa prática durante o sexo.

Afinal, a fantasia, bastante comum, entre homens héteros, em querer ver ou praticar sexo com duas mulheres bi, não atiça nem de longe o universo feminino. Ainda sobre machismo e discriminação, um homem pode aceitar numa boa o fato de sua namorada revelar que praticava sexo com outras mulheres, ou que ainda tem tesão nisso, mas as mulheres, raramente aceitam esta condição vinda dos seus namorados ou esposos - e nem precisa ser com outro homem, até com transexual "operado" e tudo, o romance acaba indo pro ralo abaixo.



Nas relações em que já existe aceitação para o ato, o estímulo anal através dos dedos, língua, pênis ou objetos fálicos (dildos, plugs e vibradores), o nível de excitação ou ereção vai depender da intimidade e da entrega na relação. Outros, porém, preferem confessar seus segredos com desconhecidos, no anonimato ou sem se comprometer em manter qualquer vínculo com aquele que serviu exclusivamente como um objeto sexual - apenas para a satisfação ou necessidade erótica.

Contudo, o fato do homem sentir prazer com essas carícias não tem nenhuma relação com sua condição sexual. Não significa que estes homens são gays. Ou seja, o prazer anal independe da sexualidade e do gênero de quem o experimenta ou pratica. Os chamados G0ys, por exemplo, admitem curtir uma pegação entre machos, desde que sem nenhuma conotação à homossexualidade ou ao universo gay.


O Beijo Grego
Hétero Passivo

Além do prazer anal, a posição sexual ou o papel assumido durante o sexo atrelado ao poder, podendo ser de dominador (ativo), quem penetra, ou submisso (passivo), quem se deixa penetrar. Em outras palavras e em tempo, quem dá e quem come pode não ter nada a ver com as aparências. O ativo pode ser um crossdresser ou mais efeminado que um passivo, por exemplo, ou um passivo que faz o ativo de 'escravo'.

Um verdadeiro nó no cérebro com estas questões tão sólidas até então. O padrão ou padronagens criadas, ao longo dos tempos, para as figuras masculina e feminina acaba ganhando uma rasteira com as modernidades, ou com as novas formas de vida ou, ainda, de pontos de vista novos.

Não que estas práticas sejam de hoje, haja vista que desde que o homem é homem, sempre se relacionou sexualmente (inclusive pelo ânus), mas o fato é que hoje existem mais espaços favoráveis para as pessoas serem aquilo que realmente são, independente de agradarem ou não as regras de comportamento impostas - imagine um homem que se diz exclusivamente passivo e, ao mesmo tempo, 100% heterossexual, só transa com mulheres!








O prazer com o beijo-grego (chupada no cu ou cunete) é mais assumido entre os heterossexuais do que a penetração de fato, onde vemos nos filmes pornôs (hétero) os próprios pedindo o parceiro ou parceira para "caírem de boca no rabinho": "Chupa meu cu!".

Com as desconstruções destas definições de "homem", o que serve para cada um, o que podem ou não fazerem, o que seria sexo, gênero e até sexualidade, questões egocêntricas, anônimas, íntimas e secretas, passam a sair do armário para formar a diversidade também no contexto social, bem como obtêm liberdade, autonomia para "ser ou não ser", quando quiser e bem entender.


Um hétero enrabado por outro cara


Foda comendo o rabo de um HT


Hétero punhetando sentado na língua do puto


Garoto hétero dando o cuzinho

Mais Vídeos Pornô:
Lista de Favoritos XVideos HomemRG
Héteros   -   Bissex

14 comentários:

  1. Muito bom esse texto e não faria qualquer obs negativa. Não me vejo cheio de caricias , mão aqui mão ali , beijinhos no pescoço e por ai vai. levei muita dedada de minha esposa , ela já lambeu demais meu cu demais e eu adoro que quase não deixo parar . Também já dei para travestis , e foi muito bom . Hoje aos 48 tenho vontade de encontrar um amigo de preferencia casado (ou não ) para ter experiência com homem que vai ai mais para o lado profano é logico .

    ResponderExcluir
  2. Texto que condiz com a realidade . Acredito que qualquer homem , que ainda não tenha passado pela experiência , pode relutar pelo machismo ou por medo de gostar . Não sou nada afim de caricias de modo algum , porem adoro que minha esposa meta o dedo e de lambidas no meu cú . Curtir demais ela atolando um cacete de borracha em mim e consegui ter muito tesão , e também já dei varias vezes para travestis , e sempre escolhi pelo cacete que seria ideal . Não gosto de mão aqui e ali , nada de beijinhos e caricias , gosto mesmo é de tomar no cú . BHMM

    ResponderExcluir
  3. mais uma interessante leitura pras minhas pesquisas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que seja mesmo interessante e merece sim ser pesquisado pois , muitos homens mesmo casados com certeza , amantes do sexo livre de tabus , gostam de ser tocados e até penetrados , indiferentemente de serem gays ou não .BH MM

      Excluir
    2. Verdade passei a gostar desde o tempo da escola pois os meninos diziam que tinha a bunda gostosa alguns pediam pra cheirar e como o tempo deixei eu abaixava as calças e eles enfiavam a cara alguns mais ousados passavam a língua e eu adorava , aos 15 anos veio o penetracao e adorei e hoje em dia eventualmente necessito se penetrado ,
      rflcardoso3@gmail.com

      Excluir
  4. O cu é uma das áreas mais erogenas do corpo, com uma quantidade enorme de terminações sensitivas. Por isso defecar é uma das atividades mais prazerosas. Lambidas e penetrações ali são uma delícia para quem faz é quem recebe. O odor de um cu bem cuidado é uma delicia de se sentir... Eu particularmente prefiro lamber e às vezes penetrar. Mas não tenho problema algum em ceder.
    Estímulos no anus não vão deixar ninguém mais gay ou menos "macho", nem mais esperto, nem menos burro, nem mais rico, nem mais pobre, nem mais feio ou mais bonito... Nada mudará depois!!! As pessoas se privam do prazer estremo por tolices!
    Ninguém vai sair tatuado da relação com um " eu dei o cu" !!! Abraços!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo, meus amigos da escola adoravam o cheirinho e depois veio as lambidinhas , e até hoje curto e ninguém sabe somente os que ficaram comigo e só tão homem como qualquer outro

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  5. Muito interessante o fato pois , sou casado a 20 anos , e sempre procurei travestis , e sempre com o mesmo desejo , chupar e dar . De algum tempo para cá , não tenho me contentado com travestis pois , parece que ficou um pouco artificial diante do meu desejo . Passei então a me interessar por homens , com o sentido de que o profano também tem que vir acompanhado do totalmente proibido. Se gosto de chupar um pau e dar o cú , porque procuro mulheres com um pau . Senti então a necessidade de chupar o pau e dar o cu para "homem " , pois assim estou cumprindo o papel correto de quem gosta de Rola . Já tentei mudar essa vontade uma vez que não gosto de troca de caricias e mão aqui e mão ali . Já tentei até beijar na boca de um cara que queria de todo jeito , mas não deu. Curto apenas pegar num pau gostoso , chupar e dar , simples assim . BHMM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo , é muito gostoso chupar um pau e depois senti-lo dentro do cuzinho , alguns meninos da escola adoravam meu bumbum , gostava de cheirar e um mais ousado pos o pau pra fora ficou esfregando no cuzinho , de tanto fazer até que um dia acabou entrando , doeu mais foi uma dor muito gostosa , pois arrombou meu cuzinho e me deixou lambuzado , hoje em dia dou eventualmente pois necessito de cheirar, chupar e sentir uma rola calibrando meu buraquinho apertado e cheiroso
      11 966578273

      Excluir
  6. Creio que o ato de simplesmente gostar de um cacete não faz do homem um gay e sim um pervertido . Acredito que para se dizer gay , tem que se gostar de homem , literalmente . Particularmente não gosto de ficar alisando homem , beijando , esfregando e por ai vai . Embora eu seja casado e hoje com 48 anos adoro mulher , não posso ver um rabo de saia , então não me vejo alisando e sendo alisado por outro homem , porem adoro chupar um cacete , mamar com vontade para sentir o cacete na boca e adoro tamar no cú , não tem coisa melhor .

    ResponderExcluir
  7. me chama no zap 31 992814371

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário ou envie sugestões, fotos e vídeos para homemrg@gmail.com