11 de out de 2015

Naked Kombat e a luta entre peladões

Vale Tudo

E "vale dançar homem com homem"! Na estreita relação entre sexo e violência, Naked Kombat é uma das diversas modalidades de luta livre (freestyle wrestling), onde os lutadores vão ao chão, se pegam, se esfregam e transam na fantasia erótica de fazer algo à força e entre homens completamente pelados. Um sex sport na trilha da luta greco-romana, do boxe, do UFC, MMA, da luta turca e, inclusive, do BDSM.

Para o árbitro não se confundir durante a luta e ser justo na atribuição dos pontos, os lutadores usam tornozeleiras de cores opostas, já que roupa não é muito bem vinda neste esporte entre os amantes da pegação gay. Muitas vezes, antes destes lutadores ficarem nus (nude fighters), a batalha se inicia com ambos vestidos, ainda que seja uma sunga, cueca, tanga ou um tapa-sexo, sendo, inclusive, uma das pontuações tirar à força estas peças do adversário, entre outros golpes do combate.



Nude Fight

Arrancar a tanga do adversário, passar a mão ou enfiar o dedo no rabo dele, botar pra mamar ou, simplesmente, esfregar o sexo na cara ou forçar o rival a cheirar e até "engolir" a cueca arrancada anteriormente, uma chave de perna, uma sentada pelado na cara ou arreganhar a bunda do outro, em sinal de ostentação ao poderio sobre este, relar por trás, numa forte gravata, enrabar, enfiar mão na boca, o pé, pisar em cima, imobilizando (e "possuindo") o outro, spank, e tantas outras sacadas eróticas possíveis de se realizar na brutalidade e sensualidade dos confrontos físicos.

Embora o destaque ao dominante e vencedor seja mais evidenciado, gerando, inclusive, sua vitória na luta, o perdedor também poderá sair do combate tão satisfeito quanto o outro competidor, por ter recebido uma bela sova de macho - já que o mais importante em todo esporte é competir, estando sempre ganhando (experiência), mesmo nas supostas derrotas.

Naked Kombat Compilation Kink.com - HomemRG.bogspot.com

video
Jessie Colter vs Micah Brandt - Loser gets showered in piss!










Guerra de Sexo

Sobre Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo - BDSM, algumas dessas práticas podem ser incrementadas com aparelhagens, cordas e fitas (amarrações), ou usando as próprias tiras da cueca que foi rasgada e arrancada para a imobilização do adversário ou submisso da relação (numa luta não há total submissão e, sim, derrota de uma das partes), apetrechos eróticos como máscaras, açoites, pênis de borracha, e até elementos como água, urina, esperma, cuspe e terra. Deste mesmo universo, vem a modalidade rape ("estupro") ou violation, na condição de fazer à força, violando intimamente o outro, além dos requintes da surra, incluindo dedadas, tapas e esfregadas na bunda do oponente, ou enfiando a mão, os pés ou um objeto na boca dele.

Pode parecer bizarro de mais para alguns, mas o ato de estuprar ou, no popular, arregaçar a porra toda, é o impulso sexual mais primitivo do homem, ainda no conceito de caça e conquista daquilo que o apetece.

Na lei romana, o rapto tinha mais o significado de "sequestro" do que de "estupro", conforme o próprio relato mítico do Rapto das Sabinas, quando da fundação de Roma. O rapto de uma jovem solteira da família de seu pai poderia ser considerado uma fuga do casal, quando não havia a permissão do pai para se casarem. Já o estupro, sendo mais frequentemente expresso como stuprum, significando o que era cometido através da violência ou coação (violação). Só com a codificação das leis relativas à violência, no fim da República, que o raptus ad stuprum ou o "rapto com estupro" surgiu como crime sexual. A proteção contra a "má conduta sexual" estava entre os direitos legais que distinguiam o cidadão romano do não-cidadão, a corja ou a "escória da sociedade", conforme a falta de auto-controle, ainda que dos próprios instintos.












Em Liberdade Sexual, o psicoterapeuta Flávio Gikovate argumenta que o sexo está intimamente relacionado à agressividade e não ao amor. Ao invés de ser uma expressão de afeto, o sexo é primeiramente uma manifestação de violência. Um exemplo ou evidência disso é a identificação entre sexo e agressividade, vista na hostilidade verbal entre as relações interpessoais- as expressões obscenas que empregamos para ofender as pessoas remetem ao sexo; os termos torpes e chulos que usamos para insultar também descrevem situações sexuais; o conteúdo dos nossos palavrões é basicamente erótico e pornográfico e, quando depreciamos alguém, especialmente entre os homens, o xingamento geralmente tem conotação sexual.

E quanta gente não incentiva o acesso de fúria do parceiro para receber prazer sexual? A  presença da cólera, da raiva, desperta o apetite sexual de forma bem instintiva, quase automática. É comum nas relações puramente sexuais a provocação ao arrebatamento violento entre os praticantes, para criarem um clima de excitação alucinada.

Segundo o psicanalista Paulo Roberto Cecarelli¹, o aumento do “consumo da violência” é fato notório, em todos os tipos de mídia, onde o faturamento é garantido na exploração do 'prazer do sofrimento'. Na TV, tem programas onde a violência transborda em plena Sessão da Tarde, à disposição de todos, ou noticiários ao vivo, com a polícia perseguindo suspeitos, cenas reais de acidentes de carro, queda de avião, explosões, incêndios e outras catástrofes, adestrando o nosso olhar ou nos aguçando para reproduzir tudo isso em forma de prazer ou regozijo sexual. ¹ In Boletim de Novidades da Livraria Pulsional, São Paulo, ano XI, 1O6, 78-81, fev. 1998.





O "Faça amor, não faça guerra" veio muito tempo depois nas nossas vidas, já com o romantismo inserido nas civilizações do mundo todo. Por ter a capacidade de pensar, criar e, principalmente, imaginar, o homem passou a ser motivado sexualmente, não apenas pela necessidade fisiológica ou diante à perpetuação da espécie, mas também associando às práticas sexuais inúmeros sentimentos (amor, ódio, carinho, revolta, amizade, tesão, curiosidade, necessidade de proteção e companhia, desejo de constituir uma família, etc.), entre outras infinitas fantasias eróticas - na 'guerra de sexo', a batalha é romper os próprios limites, sejam estes físicos ou morais.

Outro destaque está na relação entre "ativo" e "passivo", testada o tempo topo, onde os golpes são dados conforme a intenção entre estas duas polaridades. O ato conhecido como cunete ou beijo grego, por exemplo, pode ser usado pelo "ativo" para forçar o adversário ("passivo") a cheirar sua bunda, esfregá-la na cara do oponente, ou chupando ou esfregando a mão ou a cara no rabo do adversário, como se dissesse se vangloriando: "Olha só o que eu faço com você!".




Duelo na pele

Na ideia da luta entre partes rivais, entre adversários, os jogos eróticos vão além do tatame, podendo se realizar em outros espaços, especialmente em ambientes públicos (banheiros e vestiários), bares e inferninhos (casas de sexo), ou em verdadeiras orgias privê. No geral, é muito simples: basta se jogar no chão com outro macho, começar o esfrega-esfrega e se lembrar das lutinhas de criança (ou entre marmanjos, mesmo), porém, dando margem ao sexo, do mais soft ao mais agressivo.

video
Marine Buddies Naked Wrestling - Héteros lutando


No esporte, a luta livre. nascida da luta greco-romana, esteve presente logo na primeira edição dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, em 1896, em Atenas. Certamente praticada como treino para guerreiros e soldados da Antiguidade, seja na forma tribal, também associada à caça ou nas primeiras disputas por terras e reinos, gerando verdadeiros exércitos formados de homens capacitados em batalhas, com ou sem armas. Com as técnicas se modificando há séculos, a Luta Greco-Romana como vemos hoje surgiu na França, por volta de 1830, como uma modalidade de combate desenvolvida pelo exército de Napoleão.

Em 1848, o soldado francês Jean Exbroyat criou a primeira turnê oficial da luta e estabeleceu a regra proibindo qualquer contato abaixo da linha da cintura. Ele chamou este estilo de flat hand wrestling ("luta com a palma das mãos"). As lutas de estilo livre ou Freestyle têm a facilidade de uma única regra: imobilizar o adversário de costas para o chão, mas usando apenas os braços e, ou o tronco.

Tem as lutas que acontecem em espaços demarcados, onde quem consegue tirar o adversário da marca, ganha o confronto - a propósito, o sumô também é uma variação da luta greco-romana, aos moldes da luta turca, que reveremos a seguir. Ou  as modalidades que permitem o uso dos pés na imobilização do adversário. Outras podem ser subdividas em categorias por peso dos lutadores, organizadas em rounds e, dependendo das particularidades de cada tipo de luta, outros nomes também vão surgindo.

Boxe, por exemplo, é uma das lutas mais antigas, usando apenas os punhos para os golpes (socos) no rosto do adversário, sendo descrita em esculturas do antigo Egito, por volta de 1.350 a.C..

Atualmente, as ligas esportivas afins mais populares são MMA (Mixed Martial Arts)  o UFC (Ultimate Fighting Championship) - só no Etihad Stadium, em Melbourne, na Austrália, cerca de 70 mil pessoas comparecerão ao UFC 193, um recorde de público do evento e milhares de fãs no mundo todo. Com o mercado desportivo ávido por espetáculos de luta, os atletas do UFC já foram até incentivados a usarem o Twitter, como divulgação e patrocínio para a modalidade. Além disso, as "artes marciais mistas" geram outros produtos como programas de TV, reality shows, transmissões ao vivo de grandes combates, status, com lutadores que viram até celebridades, e uma infinidade de artigos fitness, incluindo alimentação e as famosas bombas do universo building, juntamente com o incentivo à prática de esportes e manutenção da boa forma física (atraindo atenção de todas as academias de musculação, de ginástica e assemelhados, fora as vendas de ingressos para as lutas oficiais) - um mercado altamente rentável, focado a atender justamente aquelas questões humanas e primitivas (também sexuais) que foram citadas anteriormente.

video
UFC 2K9 Sex & Gay

video
Conquered Boxer








A Luta Turca

A luta-livre, propriamente dita, utiliza-se do máximo do contato físico entre os lutadores. É o que fazem os atletas do exaustivo e sensualíssimo Turkish Oil Wrestling ("luta no óleo" ou Luta Turca), onde os lutadores turcos se banham no azeite e, com os corpos brilhando de tanto óleo, evidenciando os músculos e excelente forma física, vão ao confronto escorregadio, aumentando assim o grau de dificuldade em imobilizar o adversário para então levantá-lo do chão (geralmente em gramados) - é o golpe chamado de paça kazık, onde se enfia a mão por dentro do kisbet, uma calça de couro emborrachada, feita especialmente para este tipo de luta. Uma batalha que exige muita força dos participantes, principalmente nos braços, realizada em eventos tradicionais como o esporte nacional da Turquia - um verdadeiro colírio para os olhos de quem assiste a este que é um espetáculo de extrema virilidadeLeia mais em: Luta Greco Romana - um show à parte

video
Gay Oil Wrestling Turkish National Sport


Golpes e pontos da luta livre

Manobras de ataque em luta profissional são geralmente usadas para preparar o oponente a um ataque de submissão. Contudo, existe uma enorme variedade de ataques no wrestling profissional, além de muitos desses movimentos serem conhecidos por nomes também diversificados. Os wrestlers profissionais dão frequentemente aos seus finishers (golpes especiais que resultam geralmente em vitórias) nomes novos, muitas vezes atribuindo o nome do lutador quando na criação de especialidades dentro de um golpe ou quando este é completamente inédito em sua forma ou grau de dificuldade.

Embora as lutas profissionais detêm uma variedade de murros e chutes, também encontrados nas artes marciais e noutros combates desportivos, as próprias lutas greco-romana e livre (freestyle wrestling) são distinguidas entre si pela diferença básica de, na greco-romana, não ser permitido agarrar as pernas do adversário ou usar as próprias pernas ou pés para golpear. Contudo, são dezenas de golpes reconhecidos pelas ligas profissionais de luta livre, sempre necessitando de muita força do lutador e, ou de sua agilidade, técnica e experiência.

Um desses golpes é o Facebuster, que é quando se usa a expressão “jogou o oponente de cara no chão”. No Naked Kombat, este golpe, onde se manobra o corpo do adversário, forçando a cabeça dele e o tronco contra o meio das próprias pernas, até empiná-lo, com o uso das mãos, e jogá-lo ao chão, pode  aparecer com um dos lutadores forçando a 'face' do oponente contra o próprio sexo ou genital e, consequentemente, fazendo com que o outro tenha o dessabor (ou não!) de ter as partes íntimas do adversário esfregada na cara.



Assim, vamos então comparar os golpes do Sex Combat ou da Luta Erótica com os utilizados na Luta Livre, aquelas mais para espetáculo cômico ou de circo (pois usavam fantasias de super heróis), os telecatch americanos, que foram o maior sucesso nos eróticos anos 80.

Ted Boy Marino, um dos maiores astros brasileiros no ramo, Aquiles - O Matador, também brasileiro, James Brian Hellwig, conhecido como The Ultimate Warrior, uma das maiores lendas da história do WWE, Iron Sheik, André - O Gigante (com 2 metros e 20 de altura e com peso sempre acima dos 200 quilos), o mais famoso deles, Hulk Hogan (gif), o Diabo Loiro, e tantos outros que hipnotizavam a plateia e os telespectadores com suas voadoras espetaculares.

O golpe  Slam é levantar o adversário com uma das mãos e braço, pegando-o pelo tronco e pescoço, enquanto o outro braço e mão pegam pelo meio das pernas, até jogá-lo, em seguida, de costas no chão.

video
WWA4 Scoop Slam Wrestling










No jogo sexual, uma simples pegada no pau vira golpe, imobilizando o adversário com uma das mãos pelo pescoço ou jogando o corpo contra o dele para, literalmente, passar a mão. ou se esfregar. É neste golpe que acontecem também as dedadas e esfregadas no cu e na região entre o saco e o ânus, e até uma punheta forçada, como demonstração de total dominação do rival e violação realizada pelo então pontuador.

Tem o Choke Bomb que é uma tesoura no pescoço do adversário para levá-lo ao chão. Na luta erótica, a tesourada na cara é usada para forçar a cabeça ou a cara do oponente contra as próprias partes íntimas (pau, bunda, axilas, mamilos...) ou contra o chão.

video
Choke Bomb by Kono

O Chokeslam é o golpe de levantar o adversário do chão pelo pescoço, usando uma das mãos, jogando-o logo em seguida com força no chão. Esta forma de "estrangulamento" (Chinlock), para o Naked Kombat tem a função de piercing ou bondage, dentro do prazer na asfixia e no poder de um "gigante" que consegue erguer seu oponente com apenas uma mão.

video
Kane chokeslam video

O Vertical Suplex, semelhante ao Slam, mantém o adversário suspenso para depois cair brutalmente com ele no chão:

video
Delayed Vertical Suplex - Ric Flair

O Hearscissors ou Tesoura Voadora (na cabeça) faz um Choke Bomb no adversário e o joga ao chão por uma cambalhota, finalizando sentado entre o tronco e o pescoço tronco do oponente, imobilizando-o assim para então poder golpeá-lo no rosto.

video
Equipe Lei Tai Tesoura voadora feita pelo sensei Diego Salo


Assim, inspirado na luta livre e, principalmente na luta greco-romana, as lutas com maior contato físico entre os combates, uma série de outras variações desses golpes são inseridos no Naked Kombat, Nude Fight, Sex WrestlingGay Combat (Sexual Humiliation Game) ou Luta Erótica, que junta-se ao ambiente BDSM, sempre se aproveitando do contato e das posições sexuais, em favor da dominação. A imobilização neste jogo é para conseguir fazer com o adversário algum tipo de sacanagem, no sentido devasso mesmo da palavra.

Outros golpes de luta livre: Clotesline (Lariat) - Braço de Ferro, Piledriver - Pilão, Inverted hearscissors - Tesoura invertida, Spear - Mergulho Frontal ou Derrubada, Crucifix - finalização ou fechamento (também finisher do Kafu), Enzugiri - Chute ou Tesoura Bailada, Ambar Locked (Armlock) - Chave de braço aérea e Chave de braço, Gogoplata ou Scissor Kick - Guilhotina, etc.



Nas lutas greco-romana e livre (freestyle wrestling), o objetivo primário é conseguir imobilizar o adversário com os ombros colados ao chão. Para tentar o golpe, os lutadores têm dois rounds de 3 minutos, com um intervalo de 30 segundos no meio. Já as lutas em que nenhum dos competidores conseguem este objetivo são decididas por pontos, concedidos pelos árbitros de acordo com a eficiência de cada golpe aplicado - também se encerra o combate quando um dos lutadores atinge 10 pontos. A Luta Turca, por exemplo, só termina por completa exaustão do perdedor, em não aguentar mais a escorregadia e árdua guerra de braços.

Naked Kombat e as lutas greco-romana ocorrem com o agarramento entre os adversários. Contudo, golpes de impacto, como socos, chutes e cotoveladas, ou qualquer coisa que tenha o objetivo de só machucar, são proibidos, pelo menos nas versões menos hardcore desses confrontos eróticos. Assim, golpes desleais podem ser punidos com a desclassificação do lutador.

As lutas ocorrem em um círculo amarelo de 7 metros de diâmetro, rodeado por uma faixa vermelha de 1 m de largura - "zona neutra". A disputa deve ocorrer dentro desse espaço, mas os golpes que acabam fora do círculo também valem, desde que tenham se iniciado na área amarela. Quando um lutador se arrasta para fora (até seus ombros saírem da faixa vermelha), a luta é interrompida.

Os golpes tem os seguintes valores: 1 ponto por derrubar o adversário, permanecendo sobre o corpo dele ou por conseguir submetê-lo a algum tipo de humilhação erótica (tirar sua cueca ou sunga, passar a mão ou dar tapas na bunda, pegada no pau, esfregar o rosto contra o sexo, etc.); 1 ponto por fazer o oponente deitar as costas no chão (mais 1 ponto se for imobilizado por 5 segundos nessa posição); 3 pontos por fazer o adversário deitar as costas no chão em um só golpe (finisher) e; 5 pontos por erguer e arremessar o corpo do adversário no ar. Os pontos também são distribuídos a um lutador quando seu adversário é punido por evitar o confronto.

Depois de golpearem bastante, com carcadas, sarros e tapas até na cara, o vencedor recebe como premiação poder fazer quem perdeu de submisso (e passivo), usando seus buracos para meter o cacete, mais tapas, dedadas e chupões, e aquela enrabada no final - para o "perdedor", a questão é se este ato significa punição pela derrota na luta ou tem a mesma sensação de vitória, ora empossada por seu adversário.

Connor Buckley no sitcom Surviving Jack

Seja no ringue, no octódromo, no tatame, no gel, no meio da lama, na intimidade dos vestiários ou academias de ginástica, o Naked Kombat é essencialmente uma modalidade de sexo, uma parafilia, que usa a luta livre ou, no popular, lutinha, como suporte para as infinitas possibilidades de performance sexual, onde o sexo (a penetração) em si não é a questão predominante e, sim, a própria luta e seus frenéticos sarros, agarrões e agressões sacanas, praticados durante todo o fervor do duelo erótico.

Um jogo sexual, com posições e golpes tão diversificados quanto o Kama Sutra, na inquietação de achar a mais perfeita disposição erótica e, principalmente, demorando nesta busca por puro e simples prazer em violar ou submeter o outro à própria força, porém, com seu consentimento disfarçado de derrota.


Mais Vídeos:
Gay Naked Kombat

video
Gay Sex Wrestling Live Audience

Luta livre no gel GAY

video
Outdoor Gay Sex Wrestling in the Garden

The Oil Match Gay Wresting

Talvin Demachio and Rocky (Fantasy Oil Wrestling 4 Part 2) brought to you

video
Luta de corpos na lama em Amarante MA

Gay wrestling friends

Video PlayList:
Gay Sex Wrestling Pornhub Homem RG
XVideos Favoritos HomemRG Naked Kombat

2 comentários:

  1. Veja também http://www.vice.com/pt_br/read/wrestling-is-gay um estudo foto-artístico de Ben McNutt Recomendo!

    ResponderExcluir
  2. Muito boa a postagem sobre lutas, mantenho um blog de luta feminina acesse www.catfightbr.blogspot.com, la no entanto as lutas são entre mulheres envolvendo sexo ou só catfight submissão mesmo.Quem quiser trocar ideias sobre lutas mande email para: catfightbr@gmail.com.....

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário ou envie sugestões, fotos e vídeos para homemrg@gmail.com