14 de nov de 2015

Novembro Azul contra o câncer de próstata

Saúde!

A exemplo do Outubro Rosa, mês de conscientização e prevenção do câncer de mama (mais comum entre mulheres, mas pode ocorrer em homens também), o Instituto Lado a Lado, afiliado e certificado pela International Alliance of Patients' Organizations, realiza desde 2008 no Brasil a campanha Novembro Azul, para chamar atenção para outro tipo de câncer (e ainda um tabu para muitos homens): o câncer de próstata e, mais especificamente, a importância em fazer o temido exame de toque retal.

Próximos ao Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, comemorado no dia 17 de novembro, e do Dia Internacional do Homem, em 19 de novembro, alguns dos principais monumentos e pontos turísticos do Brasil ganharam iluminação em azul (em São paulo: Estádio do Pacaembu, Museu do Futebol, Viaduto do Chá, Monumento e Ponte das Bandeiras, Borba Gato, Hotel Bourbon Convention Ibirapuera, Torre da Band; Boulevard Shopping em Porto Alegre; Teatro Amazonas em Manaus; Ópera de Arame em Curitiba; Estádio do Maracanã no Rio, Estátua do Padre Cícero em Juazeiro do Norte, Senado Federal em Brasília - o Estádio Arena Fonte Nova, em Salvador, e o maior cartão postal internacional, o Cristo Redentor, serão iluminados em azul no próximo dia 17, a partir das 18h), promovendo a conscientização sobre uma doença exclusivamente masculina, o câncer de próstata.

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), a detecção da doença em estágios iniciais aumenta em 90% as chances de cura. A recomendação do Ministério da Saúde é de que os exames preventivos de toque e PSA (antígeno prostático específico) sejam realizados anualmente por todos os homens a partir dos 50 anos, exceto em casos de fatores de risco, que são: obesidade, histórico familiar da doença e etnia negra – a prevenção deve ser iniciada aos 45 anos nestes casos.


O Mês Azul

Novembro Azul é uma campanha de conscientização realizada por diversas entidades, no mês de novembro, dirigida à sociedade e, em especial, aos homens, a respeito de doenças masculinas, com ênfase na prevenção e no diagnóstico precoce do câncer de próstata.

No início deste mês, quem passava pelo Masp, na Avenida Paulista (SP), teve a oportunidade de ser lembrado sobre a importância da prevenção da boa saúde. Uma tenda montada no vão livre do museu trazia a campanha Novembro Azul, chamando a atenção dos homens que puderam fazer exames rápidos e ainda tirar dúvidas sobre o câncer de próstata. Batizada de Circuito da Saúde, a ação integra a programação da campanha nacional de combate ao câncer de próstata, realizada em todo o Brasil pelo Instituto Lado a Lado.

“Estava passando e aproveitei. Quanto mais informação nós tivermos melhor. Até porque sem informação é ainda mais difícil ter acesso ao atendimento e exames. Isso é uma coisa que dificulta bastante o cuidado com a saúde”, comentou Charles Rodrigues, de 37 anos, à redação do site NovembroAzul.com.br que passava pelo local e parou para saber mais sobre o assunto. Lá, profissionais da saúde realizaram aferição da pressão arterial e medição da circunferência abdominal, além de ensinarem a calcular o próprio Índice de Massa Corporal, o IMC, haja vista que o sobrepeso é um dos fatores que podem aumentar os riscos de diabetes e, inclusive, do câncer de próstata.

Quem também pode aproveitar essas ações foi o público feminino, que tem papel fundamental na campanha, incentivando a conscientização entre os homens (namorados, maridos, parentes e amigos). “Se não ficarmos insistindo para eles irem ao médico, não vão”, afirmou a vendedora Antônia Araújo Mota, 49 anos, que garantiu levar a mensagem de prevenção adiante.


Diagnosticado com câncer de próstata há 2 anos, Irineu Padiglione, 74 anos, não deixou de passar pelo estande do Novembro Azul para saber mais sobre como cuidar melhor da sua saúde. “Acabo de finalizar o tratamento, agora é só realizar os controles”, conta em conversa com o oncologista Fernando Coitat Maluf. Membro do Comitê Científico do Instituto Lado a Lado, o médico também esteve no local para tirar dúvidas dos participantes e distribuir exemplares autografados do seu livro Vencer o Câncer de Próstata. “Ações assim são muito importantes. Se impactar somente 5% das pessoas que passaram por aqui hoje já é uma grande vitória”, parabenizava o evento.

Destaque também para o caso Edmar Covas, de 61 anos, que teve o pai diagnosticado com câncer de próstata, há sete anos, e desconhecia a importância de procurar um médico para avaliar a necessidade do rastreamento (exames preventivos e periódicos). “Eu nunca fiz exames por não sentir nada, mas agora entendi que já passei da hora de fazer a minha parte. Vou marcar a minha consulta. Não tenho medo dos exames, só não sabia da necessidade de fazê-lo”, justificou.



Movember

O movimento surgiu na Austrália, em 2003, aproveitando as comemorações do Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, realizado no dia 17 de novembro. No Brasil, o Novembro Azul foi criado pelo Instituto Lado a Lado, com o objetivo de quebrar o preconceito masculino de ir ao médico e, quando necessário, fazer o exame de toque, tendo felizmente alcançado ampla divulgação. Em 2014, o Instituto realizou 2.200 ações em todo o Brasil, com a emblemática iluminação de pontos turísticos em azul, a adesão de celebridades (Zico, Emerson Fittipaldi, Rubens Barrichello), ações em estádios de futebol, incluindo "minuto de silêncio" antes das partidas, corridas de rua e autódromos, além de palestras informativas, intervenções em eventos populares, redes sociais e blitzen educativas nas estradas.

Em vários países, o Movember é mais do que uma simples campanha de conscientização. Há reuniões entre homens (inclusive com o cultivo de bigodes, ao estilo Mario Bros, símbolo da campanha), onde são debatidos, além do câncer de próstata, outras doenças como o câncer de testículo, depressão masculina, saúde do homem em geral, entre outros temas relacionados ao bem estar masculino.

Na verdade, o Novembro Azul é tradicionalmente dedicado ao diabetes mellitos (aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue). Em 14 de novembro, data do nascimento do Dr. Banting, descobridor da insulina, comemora-se então o Dia Mundial do Diabetes (a data foi instituída pela Federação Internacional de Diabetes - IDF e pela Organização Mundial da Saúde - OMS, desde 1991). Assim começou a tradição de iluminar points de azul, bem como concentrar no mês de novembro propostas de circuitos lúdicos pró-saúde, mesas redondas e ações públicas, entre outras formas de fomento ao debate proposto: a saúde do homem.

Há também o Agosto Azul, mês dedicado à prevenção das causas gerais de mortes masculinas, incluindo a violência urbana com óbitos por armas de fogo e armas brancas, mortes no trânsito, câncer de próstata, etc., mas sem menção ao diabetes. Então, incluindo o Dia Internacional do Homem, em 19 de novembro, e o Dia Mundial do Diabetes, dia 14, o Novembro Azul é, pelo menos, o mês/movimento mundial voltado ao diabetes, ao homem e à conscientização contra o câncer de próstata - um mês azul!


Treinão Bike+Running com Zimbrão

Após vencer o câncer, o educador físico Vinícius Zimbrão (foto), que inspira as pessoas a cuidarem melhor da saúde, conta sua história e convida a todos para o Treinão Bike+Running, que acontece neste domingo, 15, amanhã, no Rio de Janeiro, em apoio ao Novembro Azul.

Trata-se de uma super pedalada e corrida em prol da campanha de conscientização contra o câncer de próstata e em favor da saúde do homem. Mas o evento não chama atenção apenas pela causa - um dos realizadores, Vinícius Zimbrão, tem uma história de superação do câncer que, por si só, já inspira muitas pessoas a cuidarem melhor da saúde (no ano passado, o atleta e educador físico foi diagnosticado com câncer em um dos testículos, mesmo tipo de câncer do também atleta Lance Armstrong, o qual Zimbrão tomou como exemplo e inspiração). “Aconteceu tudo muito rápido, não tive muito tempo para pensar. Apenas queria saber o que eu podia fazer pra sair dessa rápido”, conta o atleta.

E, realmente, saiu. Depois de confirmado o diagnóstico, Zimbrão realizou a cirurgia em dois dias, e logo voltou ao trabalho. Acostumado a superar desafios no atletismo, ele conta que o estilo de vida disciplinado, que cultiva com perseverança ao longo dos anos, o ajudou no tratamento e recuperação. “Meu organismo respondeu muito melhor às drogas usadas na quimioterapia. Meus vasos são calibrosos e aguentaram bem as agulhas das infusões. E minha disposição e autoestima me davam forças para me reerguer todos os dias. Muitos amigos me relataram que foram ao médico e fizeram exames depois do meu caso”, revelou.

E não apenas os amigos, Zimbrão conta que, em sua primeira sessão de quimioterapia, decidiu tornar pública sua doença por meio de uma postagem no Facebook. Nela, chamava as pessoas para fazerem alguma atividade física enquanto estivessem ali, se tratando. “Era tudo que eu queria fazer naquela hora ao invés de estar no hospital”, disse. “Isso gerou uma sensibilização e um compromisso com as pessoas, que começaram a me relatar seus treinos e desafios a cada dia!”. Foi assim que surgiu o Desafio do Zimbrão, maratona que mescla bike, corrida e uma ida rápida ao médico.

Inspirado nesta iniciativa do atleta, o Bike+Running deste domingo visa conscientizar sobre o câncer de próstata. “O meu oncologista, Dr. Daniel Herchenhorn, já havia falado sobre as diversas ações que ocorriam nessa época e que seria interessante fazermos o desafio no mês de novembro também”, disse. Para Zimbrão, campanhas como o Novembro Azul são importantes, pois ainda existe uma cultura machista que deve ser extinta. “O homem não se examina e não se permite examinar, como é feito com as mulheres. Isso deve acabar com campanhas de prevenção mais maciças”, opinou.

Falando em prevenção, o atleta garante que, após descobrir a doença, mudou sua percepção em relação à importância do acompanhamento médico: “O cuidado é redobrado e a constância nos exames e acompanhamento são eternos”. Como quem superou um câncer exclusivamente masculino, Zimbrão finaliza: “gostaria que os homens deixassem o preconceito e o machismo de lado e dessem mais importância à prevenção e, consequentemente, à vida! Viver inspira a cura!”, concluiu.

O Bike+Running Novembro Azul acontece no dia 15/11/2015, com concentração às 9h30, no Jardim Botânico, Rio, saindo às 10h em percurso pela Vista Chinesa até a Mesa do Imperador - chegada prevista para as 11h, quando haverá ação informativa do Novembro Azul, em parceria com Oncologia D’Or. Obrigatório levar capacete, bicicleta e camiseta Velox Outdoor. Recomendado também levar sapatilha, banco gel e hidratação.



Saiba mais sobre o câncer de próstata!

É o resultado de uma multiplicação desordenada das células da próstata. Quando há presença de câncer, a glândula endurece. Na fase inicial, o câncer de próstata não tem sintomas. Em 95% dos casos, eles aparecem em estágio avançado. Portanto, exames preventivos frequentes são fundamentais para que a doença não seja descoberta em estado avançado. Homens a partir dos 50 anos de idade (ou 45, se houver casos de câncer de próstata na família), devem procurar um urologista anualmente para realizar os exames preventivos.

Um desses exames é o toque retal. O exame é rápido e indica se a próstata apresenta algum tipo de alteração. A próstata apresenta consistência firme e homogênea ao toque. O câncer ocorre quando as células da região começam a se multiplicar de forma desordenada e ela fica, então, mais endurecida. Caso seja detectada alguma alteração, o médico pode solicitar outros exames para confirmar o diagnóstico, como o PSA (Antígeno Prostático Específico), o ultrassom transretal e a biópsia da glândula, que consiste na retirada de fragmentos da próstata para análise. Só então é feito o diagnóstico.

Exame de toque e PSA: fazer ou não fazer? Por Drauzio Varella

Contudo, as causas do câncer de próstata são ainda desconhecidas. Embora normalmente apareça em homens com mais de 65 anos de idade, as chances de desenvolver a doença aumentam em até 50% se já tiver havido algum caso de câncer de próstata na família, como pai ou irmão. Outros fatores, como o estilo de vida, alimentação inadequada à base de gordura animal e pobre em frutas, legumes, verduras e grãos também podem interferir no surgimento da doença.

Apesar de pequena, do tamanho de uma castanha, a próstata tem uma grande responsabilidade. É uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen, abaixo da bexiga e na frente do reto. Ela produz cerca de 70% do sêmen, líquido espesso que traz os espermatozoides e é liberado durante o ato sexual ou masturbação. É uma substância fundamental para a vitalidade do homem e, portanto, representa um papel primordial na fertilidade masculina.


Sintomas

Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem uma evolução silenciosa. Por isso, muitos homens não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata, também chamado de HPB. Quando alguns sinais começam a aparecer, 95% dos tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura. Contudo, confira os sintomas que são suspeitos e merecem uma consulta ao médico:

• A sensação de que sua bexiga não se esvaziou completamente e ainda persiste a vontade de urinar;
• Dificuldade de iniciar a passagem da urina;
• Dificuldade de interromper o ato de urinar;
• Urinar em gotas ou jatos sucessivos;
• Necessidade de fazer força para manter o jato de urina;
• Necessidade premente de urinar imediatamente;
• Sensação de dor na parte baixa das costas ou na pélvis (abaixo dos testículos);
• Problemas em conseguir ou manter a ereção;
• Sangue na urina ou no esperma (esses são casos muito raros);
• Dor durante a passagem da urina;
• Dor quando ejacula;
• Dor nos testículos;
• Dor lombar, na bacia ou no joelhos;
• Sangramento pela uretra.

Na fase muito avançada, o câncer de próstata pode provocar dor óssea, desconfortos urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal. Por isso, é importantíssimo que os homens desenvolvam o hábito de prestar atenção no próprio corpo para observar sintomas repentinos e alterações. Assim, podem procurar um médico para tirar dúvidas, ser orientados e tratados a tempo, caso sofram de alguma patologia.

A ausência dos sintomas não garante que não há problemas com a saúde do homem. Portanto, realize os exames preventivos anualmente e fique atendo para mudar os fatores de risco que independem da genética!

Sabe-se pouco sobre a maioria dos fatores de risco em relação ao câncer de próstata, já que os estudos epidemiológicos têm encontrado resultados inconsistentes. As justificativas que norteiam a detecção precoce da doença, assim como de qualquer outro tipo de câncer é que, quanto mais inicialmente for diagnosticado, maiores serão as chances de cura, além de permitir um tratamento menos agressivo e mutilante.


Fatores de risco

Vários fatores podem ser responsáveis pelo câncer de próstata, e a hereditariedade é certamente um deles. Principalmente se houver dois ou mais parentes de primeiro grau portadores da doença e se esta for descoberta antes dos 60 anos de idade. Assim como em outros tipos de câncer, a idade é outro marcador de risco importante, ganhando um significado especial no câncer da próstata, uma vez que tanto a incidência como a mortalidade aumentam exponencialmente após os 50 anos. Estes então são os principais fatores de risco ao câncer de próstata, com orientação médica para se iniciar os exames preventivos e periódicos a partir dos 50 anos de idade.

A influência da alimentação sobre a gênese do câncer ainda é incerta, não sendo conhecidos os exatos componentes ou mecanismos pelos quais ela pode influenciar o desenvolvimento da doença. As evidências apontam, porém, que uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais e pobres em gordura, principalmente as de origem animal, não só ajuda a diminuir o risco de câncer, como também a incidência de outras doenças crônicas não transmissíveis.

Também tem sido apontada uma relação positiva entre o alto consumo energético total e ingestão de carne vermelha, gorduras e leite e o risco de câncer da próstata. Por outro lado, o consumo de frutas, vegetais ricos em carotenoides (como o tomate e a cenoura) e leguminosas (como feijões, ervilhas e soja) tem sido associado a um efeito protetor. Além desses, alguns componentes naturais dos alimentos, como as vitaminas (A, D e E) e minerais (selênio), também parecem desempenhar um papel preventivo.

Outros fatores cujas associações com o câncer da próstata foram detectadas em alguns estudos incluem o “fator de crescimento análogo à insulina” insulin-like growth factor, consumo excessivo de álcool e tabagismo. Homens com sobrepeso e obesos também possuem maior risco de desenvolver câncer de próstata.


O medo da Dedada

O preconceito com relação ao exame de próstata é o maior mal para o diagnóstico precoce, tão necessário para detectar a doença em condições de cura - um exemplo deste tipo de preconceito ou pudor em demasia (e contra a própria ciência) é a dificuldade em encontrar um vídeo que mostra um exame de próstata, a exemplo de vídeos de parto, até mesmo para desmistificar o tema (só se vê "vídeos engraçados", piadinhas, pegadinhas ou meramente explicativos, sem mostrar de fato o exame).

Segundo estimativas do Inca, o Brasil registra 69 mil casos de câncer de próstata por ano. Contudo, um dado da Sociedade Brasileira de Urologia preocupa ainda mais os especialistas: 51% dos homens nunca passaram por um urologista (!!). Assim, campanhas como Novembro Azul ganham um importante papel contra o preconceito, remediando com o melhor antídoto: a informação e o conhecimento., principalmente em países essencialmente machistas como o Brasil - afinal, são 7 novos casos de câncer de próstata que surgem a cada hora! “Esse medo não pode existir. O exame de próstata é tranquilo e dura 15 segundos. Os homens relutam em fazer o toque retal por conta do machismo, além do receio de sentir dor. Enquanto o preconceito existe, milhares de homens morrem todos os anos”, alerta o médico Horácio Cardoso Salles, gerente da área de medicina ambulatorial do Seconci-SP (Serviço Social da Construção).

Entre os trabalhadores da construção civil, o preconceito e o machismo ainda pairam entre os peões de obra e, infelizmente, é o que acontece em qualquer ambiente tido como viril, de trabalho braçal ou de atividades reconhecidamente para "macho alfa". Assim, o Seconci-SP realiza palestras sobre a saúde do homem dentro dos canteiros de obra, mas, sempre que surge uma pergunta sobre o exame do toque retal, as piadas são inevitáveis e acabam constrangendo quem realmente está interessado no assunto”, relata Horácio.

Confirmando a existência de impeditivos culturais para a realização de exames preventivos entre os pacientes masculinos, uma pesquisa realizada pela Coalizão Internacional para o Câncer de Próstata divulgou que 47% dos homens com câncer de próstata em estágio avançado desconhecem e não dão importância aos sintomas. Ou seja, não comunicam aos médicos e, quando o fazem, perdem tempo para iniciar o tratamento e aumentar as chances de cura. O levantamento foi realizado com 900 pacientes e 360 cuidadores de 10 países (Alemanha, Reino Unido, França, Espanha, Itália, Holanda, Estados Unidos, Japão, Cingapura e Taiwan).

video
Pânico na TV mostra que exame de próstata não dura mais que 10 segundos.

No Brasil, uma pesquisa realizada pelo Datafolha com 1.061 homens com idades entre 40 e 70 anos, de 10 capitais brasileiras, constatou que o tabu com o exame de toque retal ainda é forte no país. Apenas 32% dos brasileiros declararam já ter feito o tal exame. Cerca de 39% dos homens preferem suportar os possíveis sintomas sem contudo recorrer ao médico, e isso durante meses ou até mesmo anos. Como se não bastasse tantos dados vergonhosos sobre a vulnerabilidade masculina perante à heteronormatividade, 34% acreditam que falar sobre sua dor faz com que se sintam fracos (!!) e 38% dizem que é difícil falar da dor na qual estão imersos. Já 57% afirmam que a dor ou o desconforto diário é algo que precisam aprender a conviver e 59% afirmam que não sabem se a dor pode estar relacionada ao câncer.

Estes dados são certamente provindos do machismo que vivemos em sociedade, há séculos, onde o homem teria por obrigação (cultura imposta) ou 'característica genuína' ser másculo, forte, provedor... Sendo vergonhoso para a maioria dos homens passar por situações opostas, como a falta de virilidade (quando efeminado), fraqueza, dependência física e principalmente financeira, etc. Em consequência, o receio ou "vergonha" ("o pecado original" bíblico) com as partes íntimas, genitais, especialmente com o ânus, parte do corpo que definiria de forma rasa e errônea a orientação sexual do homem, dependendo do uso que o é dado.

A conhecida fala de machão "aqui só sai, não entra nada" mostra que mexer "atrás" é o mesmo que estar praticando algo homossexual ("ativo" / "passivo"), que perderia a macheza e, até na mera curiosidade, ter uma suposta tendência gay, no sentido de que o ato em deixar que introduzam o dedo no reto tornaria o paciente menos homem. Tudo sem falar no polêmico fio-terra, também com o mesmo estigma para com a masculinidade de quem aprecia tal ato erótico, ainda que este seja praticado em relação heterossexual.

No meio de tanta ignorância, embora o câncer de próstata ser a neoplasia maligna mais comum entre os homens (dados do Inca mostram que, no Brasil, o câncer de próstata é o segundo tipo mais comum entre os homens, perdendo  apenas para o câncer de pele não melanoma), a fundamental detecção precoce tem ainda estes tabus como entraves do tratamento e prevenção, visto que, na fase inicial, 90% dos casos são curáveis.

Contudo, um novo teste de câncer de próstata promete aposentar o toque retal. Estudos mostram que o novo teste, feito com a urina, pode ser duas vezes mais confiável que o exame de sangue existente para a detecção da doença, além de informar aos médicos quanto à gravidade do câncer. Por dispensar o que seria um dos maiores medos entre os homens, este novo teste, semelhante aos testes de gravidez de farmácia, é descrito como o maior avanço no diagnóstico do câncer de próstata em 25 anos.

Saiba mais sobre Novembro Azul no site
NovembroAzul.com.br

Um comentário:

  1. Boa Tarde Galera!
    Alguém tem Grupo de Sacanegem no Whatsapp??

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário ou envie sugestões, fotos e vídeos para homemrg@gmail.com