16 de jan de 2018

Pompéia e a Antiguidade Erótica revelada

História

Há indícios de Arte Erótica desde os tempos mais primitivos, com suas pinturas rupestres e representações da figura humana voltadas à fertilidade e caça, geralmente aliando nossas forças sexuais aos poderes da natureza. Seja pelo misticismo ou com intuito didático, ilustrativo ou mesmo erótico, estas manifestações artísticas tiveram seu momento de glória nas primeiras civilizações, mais especificamente em Pompéia, que é hoje é o maior sítio arqueológico erótico do mundo.

A cidade foi enterrada por um manto de cinzas e pedra-pomes expelidas pelo vulcão do Monte Vesúvio por volta do ano 79, até que foi descoberta por arqueólogos em 1738. Esta cidade romana tinha em torno de 20.000 habitantes!

Era mais que uma cidade, foi uma estância balneária, dedicada às artesrelaxamento e à busca de prazer. Era rodeada de salas secretassaunas banhos para fins sexuais. O sexo era completamente normal e uma gratificante experiência, bem como o que sabemos sobre o erotismo que ocorreu por lá foi deixado nas pinturas das paredes e nas esculturas.




É importante lembrar que todo o trabalho artístico em Pompéia descoberto até agora tem um significado muito mais profundo para as pessoas que lá viviam. O pompeianos eram adoradores de Eros, filho de Afrodite, deuses do prazer, do erotismo e do amor. Bem diferente do que passamos a padronizar, conforme os dogmas cristãos.

Havia representações de atos sexuais em quase todas as casas e balneário, assim como em muitos espaços públicos. Houve outras cenas em exposição em Pompéia retratando inclusive a homossexualidade, o sexo oral, e uma variedade de posições sexuais. Imagens sexualmente explícitas encontrados em toda Pompéia, muito antes de passarmos a enxergá-las como obscenidades ou pecado.


Vila dos Mistérios
O tesouro de Herculano

Por mais de 1.600 anos, os restos de Herculano – em uma esplêndida estância romana a 10 milhas a norte de Pompeia – ficaram enterrados sob um dilúvio de cinzas de vulcão. Foi em 1738, sob o domínio do rei Carlos III, que o antigo assentamento foi redescoberto a poucas milhas do palácio real de caça em Portici.

A escavação que se seguiu, finalmente desenterrou um dos maiores tesouros da história arqueológica: a Villa dei Papiri, que abrange mais de 1.800 rolos carbonizados e a única biblioteca existente da antiguidade romana.

À medida que as escavadeiras cavavam mais fundo, surgiram uma torrente de relíquias cada vez mais libidinosas: afrescos e mosaicos de fornicação entre espéciessátiros de terracota, aniquilados por seus próprios membros gigantes e – em um caso – um conjunto de carrilhões de bronze que representam um gladiador em guerra com seu próprio falo em forma de pantera.

E então, havia a profusão de órgãos masculinos autônomos, saindo dos cantos das ruas e das paredes das lojas e, ocasionalmente, servindo como lápides de concreto maciças. Como um jornalista resumiria mais tarde, o “display em Nápoles mostra pênis com sinos pendurados, pênis com pernas, pênis com asas e, em um caso, um pênis com sinos, pernas e asas”.

Moeda Romana

Em 1794, as antiguidades eróticas haviam crescido o suficiente para merecer sua própria sala de claustro no Museu Herculano em Portici. No início do século XIX, foram transferidos para o Museu Royal Bourbon (hoje o Museu Arqueológico Nacional de Nápoles). Após uma visita de 1819 a um outro escandalizado – esta vez, o futuro rei Francesco I – os 102 “monumentos da licenciosidade pagã” foram formalmente sequestrados. O espaço passou a ser conhecido como o Gabinetto Segreto, ou Gabinete Secreto, aberto apenas aos de “idade madura e moral comprovada” que receberam uma autorização de entrada especial.

Os esforços para suprimir e obscurecer as antiguidades pagãs apenas intensificaram o fascínio, e a coleção logo se tornou uma das atrações mais populares do museu. Entre 1822 e 1824, os pedidos anuais de permissão aumentaram de 20 para mais de 300, obrigando o ministro responsável pelo gabinete a preparar formulários de autorização pré-impressos para atender a demanda. Um suborno potente ou uma permissão de entrada forjada proporcionou acesso a inúmeras outras partes interessadas.

Tripé com jovens e seus falos à vista segurando uma bacia

Detalhe do Tripé

Na segunda metade do século 19, por exemplo, o então diretor Giuseppe Fiorelli produziu “um catálogo detalhado de materiais pornográficos em um esforço para normalizar a coleção”, diz Valeria Sampaolo, curadora-chefe do Museu Arqueológico Nacional de Nápoles. “Na sua introdução, ele argumenta muito claramente que os objetos não são criticamente escabrosos, mas sim uma descrição sóbria das atividades humanas normais. Ele também demonstra que o falo, em particular, foi implantado principalmente como um charme de boa sorte para evitar ciúmes e infortúnios, não apenas como um símbolo da sexualidade, mas como um meio de exaltar os poderes regenerativos da própria natureza “.

Mas somente em 2000 que a coleção – agora ostentando bem mais de 250 artefatos individuais – finalmente abriria os braços para o público em geral. Quase duas décadas depois, o Gabinete ainda permanece tão incongruente como sempre foi: de uma vez comicamente crasso e um pilar de preservação patrimonial. É um lugar, como observa um artigo do New York Times , onde “os curadores se referem delicadamente ao Gabinete Secreto ou à "Coleção Proibida", mas os guardas do museu dirigem os visitantes diretamente para il pornografico.

Acima de tudo, está aberto – e desta vez para sempre. Como o lema pintado no teto do Grande Salão do museu lê, agora quase arrependido, “objetos de memória, mesmo se conservados amorosamente, patrulhas nisi, se não são exibidas ao público”.

Veja mais imagens:
Pompéia e a Antiguidade Erótica revelada














Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este comentário poderá ser publicado no novo site homemrg.com